Read Uma Dor Tão Desigual by Afonso Cruz Dulce Maria Cardoso Gonçalo M. Tavares Joel Neto Maria Teresa Horta Nuno Camarneiro Patrícia Reis Richard Zimler Online

uma-dor-to-desigual

Este livro resulta de um desafio feito a oito autores portugueses para que explorassem as fronteiras múltiplas e ténues que definem a saúde psicológica e o que dela nos afasta. Em estilos muito diferentes, um leque extraordinário de escritores brinda-nos com textos que mostram como qualquer um de nós pode viver momentos difíceis e precisar de ajuda.Estas são histórias de pEste livro resulta de um desafio feito a oito autores portugueses para que explorassem as fronteiras múltiplas e ténues que definem a saúde psicológica e o que dela nos afasta. Em estilos muito diferentes, um leque extraordinário de escritores brinda-nos com textos que mostram como qualquer um de nós pode viver momentos difíceis e precisar de ajuda.Estas são histórias de perda, solidão, fraqueza e delírio, mas também de esperança e humanidade. São relatos de gente que podíamos conhecer e talvez conheçamos, histórias íntimas e ricas de homens e mulheres como nós.A área da saúde psicológica está ainda sujeita a muitos preconceitos, que dificultam a procura de ajuda profissional e estigmatizam quem sofre. Pretende-se com este livro combater esses preconceitos, despertar consciências e ajudar a encontrar uma saída....

Title : Uma Dor Tão Desigual
Author :
Rating :
ISBN : 9789724751139
Format Type : Paperback
Number of Pages : 200 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

Uma Dor Tão Desigual Reviews

  • Rita
    2019-02-12 05:28

    Oito autores portugueses aceitaram o desafio de explorar as fronteiras múltiplas e ténues que definem a saúde psicológica, através de oito contos de estilos muito diferentes mas igualmente originais:"Síndrome de Diógenes" de Afonso Cruz"A Outra Metade" de Dulce Maria Cardoso "Josef" de Gonçalo M. Tavares "Jaca" de Joel Neto "Chameada de Pássaros" de Maria Teresa Horta"Jogo Honesto" de Nuno Camarneiro"Da Impossibilidade de ser Livre" de Patrícia Reis"Ela só tinha uma oportunidade" de Richard ZimlerA temática por si só já seria suficiente para me seduzir mas aliada a um leque de fantásticos escritores, tornou-se irresistível!Qualquer um dos contos é uma viagem alucinante e profunda ao mundo da psicologia, que nos leva a questionar a racionalidade do comportamento humano. Duas semanas após ter terminado a leitura ainda recordo os contos que mais me marcaram. A grande surpresa foi Gonçalo M. Tavares que conseguiu (finalmente) agradar-me, a sua personagem/conto "Josef" foi até um dos que mais gostei. Nuno Camarneiro e Richard Zimler foram duas estreias e igualmente surpreendentes, fica a certeza que irei explorar as suas obras."Uma Dor Tão Desigual" é o livro ideal para fugir à rotina, com uma premissa promissora e muito bem escrito, não há como não deliciar qualquer o leitor.Opinião no blog:http://clarocomoaagua.blogs.sapo.pt/o...

  • antónio alves
    2019-02-17 08:27

    Li um conto por dia.Gostei do conceito: livro que resulta de um desafio feito a vários autores portugueses para que explorassem as fronteiras que definem a saúde mental e o que dela nos afasta.Gostei do resultado: em estilos muito diferentes, oito escritores brindam-nos com textos que mostram como qualquer um de nós pode viver momentos difíceis, com consequentes dores psicológicas. "Uma coletânea de estórias de perda, solidão, fraqueza e delírio, mas também de esperança e humanidade." São relatos de gente que podíamos conhecer e talvez conheçamos…1. Síndrome de Diógenes - Afonso Cruz (3*)A estória de Abdul-Rahman, que “recolhia das ruas tudo o que era objeto sem interesse, sem propósito, aquilo a que chamamos lixo…”, inventando depois estórias para cada um dos objetos recolhidos. Pelo meio, algumas reflexões filosóficas e alusões a obras literárias.Não gostei tanto da escrita como da dos magníficos “Para onde vão os guarda-chuvas” ou “Vamos comprar um poeta”. 2. A Outra Metade - Dulce Maria Cardoso (4*)A narradora conta-nos a estória do seu amigo, apaixonado por Luís, um obeso que conseguiu reduzir o seu peso para metade, mas que era “pago para se exibir na Internet em sites gay”, embora tivesse “um casamento feliz”. Não conhecia a autora. A sua escrita foi uma agradável descoberta.3. Josef - Goncaço M. Tavares (4*)A estória de Josef, o esquizofrénico, contada numa escrita surrealista que tão bem espelha a confusão/agitação/não-linearidade do espaço interior da personagem.Gostei da escrita de G.M.Tavares neste conto. O mesmo não posso dizer de “Uma menina está perdida neste século à procura do seu pai”, o único livro que li dele. Há qualquer coisa de kafkiano na escrita deste autor (digo eu…)4. Jaca - Joel Neto (5*)A estória de Rui e dos seus “desentendimentos” familiares, num jantar de Natal.Primeiro contacto com a escrita de Joel Neto. Uma agradável (agradabilíssima) surpresa. Gostei do ritmo da narrativa, da sensibilidade do narrador e da prosa poética qb. Aqui no GR não falta quem apregoe o quão bons são os seus livros. Depois deste conto, vou, certamente, querer ler outros textos deste autor.5. Chameada de Pássaros - Maria Teresa Horta (3*)70 % prosa poética + 30 % de poesia narrativa. A estória de Marta, que engravidou sem saber ao certo se foi, de facto, para a cama com o pai da criança ou se imaginou essa ida (terá sido com um Anjo?). A depressão profunda e douradoura de que sofre fá-la desinteressar-se pela filha, Cassandra, a criança que tudo faz para ser amada pela mãe e que, no final, se transforma num bando de pássaros (pelo menos é assim que a veem os alucinados olhos maternos…)Gostei da irreverência formal do texto. Não gostei do estilo: demasiado poético! (Reconheço, no entanto, mérito e competência literária à autora).6. Jogo Honesto - Nuno Camarneiro (5*)A estória de um homem que, aos 39 anos, viu terminado o seu casamento - a mulher deixou-o, abruptamente, sem que nada o fizesse prever. Cai numa profunda depressão e, como trabalha num laboratório, consegue desenvolver uma técnica para produzir um comprimido de cianeto igualzinho aos da aspirina. Acaba por suicidar-se.Outra agradável surpresa. Não tinha lido nada deste autor. Quero conhecer melhor a sua obra.7. Da Impossibilidade de ser livre - Patrícia Reis (4*)A estória de uma mulher que se sente terrivelmente perdida, depois de ter sido abandonada pelo marido. Ao fim de 25 anos de casamento, não consegue adaptar-se à sua nova “vida”, sem o marido e com dois filhos adolescentes. No final, ele regressa a casa, depois de uma ausência de quase quatro meses. O texto é a narração, na primeira pessoa, da conversa com a psicóloga, nas quatro consultas que teve durante o tempo em que o marido esteve fora de casa.Não conhecia a autora. Nunca lera nada dela. Gostei do estilo da sua prosa.8. Ela só tinha uma oportunidade - Richard Zimler (4*)O conto mais extenso desta coletânea é o do escritor norte-americano naturalizado português R. Zimler. Narra a estória de Benni, que, com 75 anos e depois da morte da esposa, se fecha em casa para não ter de se relacionar com ninguém (agorafobia? depressão?) O narrador - o seu filho - acaba por nos revelar como foi a vida do pai nos guetos de Varsóvia, durante a ocupação Nazi da Polónia.A prosa é simples e agradável. A leitura é fácil. (Mais) um autor a conhecer melhor.Conclusão: é bom descobrir novos autores e ficar com vontade de conhecer melhor a sua obra! :)

  • Roberta Frontini (Blogue FLAMES)
    2019-02-15 01:18

    Ainda estou a processar esta leitura! É favor darem uma oportunidade a este livro! Não se vão arrepender. Opinião em breve no FLAMES :)

  • Márcia Balsas
    2019-02-13 00:24

    Para quem, como eu, gosta de Contos e vive num país em que pouca (ou nenhuma) importância se dá a este género, a publicação de um livro como Uma dor tão desigual é uma felicidade.Por isso, e por ter Contos de alguns dos autores que mais admiro, iniciei a leitura com bastante entusiasmo. Importa referir que “este livro resulta de um desafio feito a oito autores portugueses para que explorassem as fronteiras múltiplas e ténues que definem a saúde psicológica e o que dela nos afasta” (contracapa). Uma dor tão desigual é uma chamada de atenção, uma forma de sensibilizar para a saúde mental, diminuindo o estigma e incitando a que quem precisa de ajuda, ou seja próximo de quem precise de ser ajudado, procure o apoio necessário.Por tudo isto, não podia deixar de ler. E, apesar das expectativas elevadíssimas, que tantas vezes acabam por me fazer sentir enganada, este livro não desiludiu e esteve à altura da minha desejada previsão.São oito Contos, todos diferentes, e cada um vai crescendo em volta de um distúrbio. Há personagens, que acreditamos que são pessoas, com vidas que podiam ser a nossa, a de um amigo ou a do vizinho do lado. Há famílias, há solidão, há caminhos que qualquer um poderia percorrer. Quero apenas dizer que as histórias deste livro são bastante verosímeis, e com facilidade se acredita que são reais. Penso que esse é o ponto crucial na sensibilização da saúde mental como preocupação de todos, pois qualquer um de nós pode precisar de ajuda.O trabalho dos autores é extraordinário e este livro merece ter muitos leitores. Procurem-no, leiam-no, e participem no enorme passo que é preciso dar na desmistificação dos problemas mentais. Não é preciso sofrer em silêncio.Não me vou alongar no que refere à qualidade dos Contos. Estamos a falar de Afonso Cruz, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Joel Neto, Maria Teresa Horta, Nuno Camarneiro, Patrícia Reis e Richard Zimler. É preciso dizer mais alguma coisa? Nenhum deles consegue escrever mal.Parabéns à Ordem dos Psicólogos e à Leya por esta parceria. www.encontreumasaida.pthttp://planetamarcia.blogs.sapo.pt/um...

  • Elsa
    2019-02-19 00:28

    Um murro no estômago...Desconcertante...Preocupante...Muito bom....a digerir...

  • Ludgero Cardoso
    2019-02-06 05:14

    "Síndrome de Diógenes", de Afonso Cruz // 3*"A Outra Metade", de Dulce Maria Cardoso // 3*"Josef", de Gonçalo M. Tavares // 4*"Jaca", de Joel Neto // 3* "Chameada de Pássaros", de Maria Teresa Horta // 2*"Jogo Honesto", de Nuno Camarneiro // 4*"Da Impossibilidade de ser Livre", de Patrícia Reis // 3*"Ela só tinha uma oportunidade", de Richard Zimler // 2*

  • FLAMES (Mariana Oliveira & Roberta Frontini)
    2019-02-21 01:31

    " (...) Este livro chamou-me à atenção por vários motivos: 1) pela temática que aborda;2) por ter o "selo" da Ordem dos Psicólogos Portugueses (e para quem não sabe, tanto eu como a Mariana somos psicólogas);3) pelos autores que escreveram os contos (este livro contem pelo menos 3 autores que eu admiro imenso: Afonso Cruz, Joel Neto e Richard Zimler);4) por serem contos.. e eu adoro contos. "Opinião completa aqui - http://flamesmr.blogspot.pt/2017/01/l...

  • Vânia Caldeira
    2019-02-07 04:17

    Há três coisas que nos atraem no primeiro contacto com este livro:- o título "Uma dor tão desigual" que abre um sem-fim de ideias e um infindável potencial que nos cativa a curiosidade- a capa ambígua e perturbadora que nos faz desconfiar dos dilemas dos personagens que aí vêm- o desafio feito pela Ordem dos Psicólogos aos oito autores portugueses (cujos nomes por si só nos fazem parar para ver) de criarem oito contos sobre as fronteiras da saúde mental.Tudo isto é sucesso garantido e que se confirma a cada página pela escrita ardilosa destes grandes autores. Temos estórias múltiplas que vão da profunda tristeza de quem vive uma depressão até ao alucinado delírio de quem sobrevive a uma esquizofrenia. Estórias intensas que nos agarram, em escritas tão diferentes, mas de enorme qualidade. De louvar que alguém se lembre deste estilo tantas vezes esquecido... E como eu adoro contos! E gostei muito de todos mas, de facto, o conto do Nuno Camarneiro sobre o suicídio dá vontade de ler e reler eternamente.

  • Clara Amorim
    2019-02-05 07:29

    Trata-se de um conjunto de contos muito original, que nos transporta para situações de desequilíbrios psicológicos, por vezes extremos.Se tivesse de escolher o que mais gostei, seria, sem qualquer dúvida, "Jaca" de Joel Neto. Foi a 'viagem' que mais me marcou no livro todo, pela forma extraordinária como nos transporta para o mundo profundo e complexo, por vezes incontrolável, das relações, dos sentimentos e das emoções, baseando-se numa personagem real por quem sentimos, logo à partida, uma grande ternura e empatia.

  • Cristiana de Sousa
    2019-01-30 00:24

    Sendo um livro de contos é normal existirem uns que goste mais! Mas o mais importante nesta obra é o tema abordado. A psicologia é um assunto que me fascina, sobretudo a forma como a nossa mente reage à adversidade! Mesmo assim achei que como seria de esperar existiram contos que me fizeram mais sentido que outros. No entanto, acho que é uma leitura importante!

  • Isabel
    2019-02-07 05:32

    Gostei da ideia da parceria entre a Ordem dos Psicólogos e a Leya que deu origem a este livro, mas a grande parte dos textos é de leitura muito dececionante. Para mim são histórias completamente esquecíveis, com as quais não se cria envolvimento. Há no entanto uma exceção: o texto do Richard Zimler, que é muito muito bom. Se avaliasse só este texto daria 4 estrelas. Infelizmente o livro no seu cojunto fica muito aquém disso.

  • Patriciacabrinha
    2019-01-27 00:18

    Li hoje este livro. Devorei-o de um trago. É fabuloso! E que magnifica esta ideia de convidar escritores conhecidos para escrevê-lo. Os meus contos favoritos foram os do Afonso Cruz, Dulce Maria Cardoso, Patrícia Reis e Richard Zimler. Espero que esta iniciativa continue com um volume 2, novos autores, novos contos. Parabéns à Ordem dos Psicólogos e a todos os envolvidos, não só pelo livro como por toda a campanha associada.

  • Cátia
    2019-01-27 04:08

    O texto de Zimler é realmente muito bom. Também gosto do do Afonso Cruz. De resto parecem-me todos os outros demasiado rebuscados e confusos. Loucos até :)

  • Sofia
    2019-02-21 02:24

    É um livro interessante quanto à temática, mas infelizmente alguns dos contos foram melhor conseguidos que os outros (o meu preferido foi o do Nuno Camarneiro).

  • Graciosa Reis
    2019-02-14 04:20

    Oito autores, oito contos. Todos diferentes mas todos iguais quanto à temática - saúde psicológica. As situações descritas remetem-nos para a realidade, isto é, é perfeitamente possível identificarmos pessoas conhecidas, próximas com estes problemas/distúrbios. Gosto de todos os autores que participaram neste desafio, mas gostei sobretudo do conto da Maria Teresa Horta.

  • Helena
    2019-01-28 01:29

    Full review: http://semtudo.pt/2017/06/13/uma-dor-...Gostei tanto desta leitura que nem sabia muito bem que palavras usar para a descrever!O melhor deste livro é o seu objetivo, o despertar de consciências para aquilo que se possa passar à nossa volta. O mais importante é não julgar sem saber.Na nossa sociedade existe sempre o receio de procurar ajuda, mas não deveria existir. O primeiro passo é admitir que podemos não estar bem.

  • Tânia Silva
    2019-02-22 05:27

    um livro que me fez pensar e perceber que a minha alma é de oeste

  • Sara
    2019-01-30 05:28

    Uma obra portuguesa a oito mãos, desafiadas pela Ordem dos Psicólogos a explorar o mais profundo da mente humana e os limites da saúde psicológica. Um livro construído para derrubar os preconceitos e estigmas sociais tantas vezes associados à doença mental.Acho de louvar este projecto da Ordem dos Psicólogos de dar forma a um assunto tão importante e tão desvalorizado como é o bem estar psicológico. Quantas vezes somos nós próprios confrontados com situações de maior stress, de um sofrimento que nos arrebata e nos deixa à deriva do nosso eu; e quantas vezes enterramos essa angústia, com vergonha da fragilidade natural do ser humano, engolindo o pedido de ajuda por orgulho.Tinha muita curiosidade em relação à temática que o livro aborda, e quando vi que este continha histórias de Afonso Cruz, Nuno Camarneiro e Richard Zimler, maior foi a minha vontade de o ler. Contudo, foi uma leitura que ficou aquém das minhas expectativas. À excepção de "Josef" e de "Jogo Honesto", não consegui empatizar totalmente com as restantes narrativas.Pontos positivos, fiquei surpreendida com a escrita de Gonçalo M. Tavares, que não conhecia até então e que agora tenciono seguir mais de perto. Nuno Camarneiro também me surpreendeu pela originalidade da narrativa e da personagem construída, já que não tinha ficado muito convencida com o seu No Meu Peito Não Cabem Pássaros, mas estava com vontade de dar outra oportunidade ao autor.Na minha opinião, Uma Dor Tão Desigual foi uma boa iniciativa para trazer a palco a problemática do preconceito em relação ao doente mental, mas infelizmente a maioria dos textos que encontrei deixaram-me pouca saciada, com vontade de algo mais profundo e sentido. Ficam as minhas 3 estrelas para uma leitura que me soube a pouco.